close

  • Servir a Polónia, criar a Europa, perceber o Mundo

     

  • ACTUALIDADES

  • 30 Agosto 2019

    Há oitenta anos, a agressão alemã à Polónia começou a Segunda Guerra Mundial. Nas primeiras horas do dia 1 de setembro de 1939, tropas do Reich alemão cruzaram a fronteira polaco-alemã. O Exército polaco apresentou resistência militar, à espera da reação dos Aliados. Em 3 de setembro de 1939, a França e o Reino Unido declararam guerra ao Reich alemão, mas sem tomar qualquer ação militar real. O destino trágico da Polónia foi selado em 17 de setembro de 1939, quando a União Soviética lançou a invasão da Polónia pelo Oriente. O ataque do Reich alemão e da União Soviética resultou do Pacto Molotov-Ribbentrop assinado pelos dois regimes totalitários, um protocolo secreto ao qual efetivamente dividia a Europa Central nas chamadas esferas de influência.

    Em 1 de setembro de 1939, às 4h45 de manhã, o exército do Reich alemão começou a executar o plano Fall Weiss. Foi este o codinome que designou o ataque  à Polónia ao longo de uma linha de frente de 1.600 quilómetros de extensão. O depósito militar em Westerplatte, defendido por uma guarnição polaca durante uma semana, tornou-se um símbolo da resistência do primeiro dia. Nesta campanha, os comandantes alemães usaram a tática sem precedentes da "guerra relâmpago" (chamada "Blitzkrieg"). Oprimidas pelo inimigo e em desvantagem tecnológica, as unidades do Exército polaco foram forçadas a recuar para o interior do país durante os primeiros dias da campanha. No entanto, devido aos esforços dos soldados polacos, o cronograma do plano Fall Weiss não se realizou na íntegra.

     

    O exército polaco apresentou forte resistência contra os invasores. A maior luta da campanha foi a Batalha de Bzura, que durou até 22 de setembro. Apesar da derrota da Polónia, o Reich alemão mudou os seus planos e adiou a rendição de Varsóvia até 28 de setembro de 1939. As últimas tropas polacas renderam-se em 6 de outubro de 1939, mas algumas unidades ainda resistiram, participando de operações contra o invasor alemão, como a Unidade Separada do Exército Polaco de Henryk Dobrzański (também conhecido como “Hubal”), que lutou até meados de 1940.

     

    Em 17 de setembro de 1939, outro vizinho lançou seu ataque - a União Soviética. No momento do ataque, as autoridades polacas ainda estavam no país e o exército ainda lutava contra o Reich alemão. A necessidade de montar resistência militar na fronteira oriental enfraqueceu o exército polaco e o condenou-o a perder a guerra de defesa de 1939.

     

    Tanto o Reich alemão quanto a União Soviética queriam não apenas tomar o território da Polónia, mas também executar seus planos de aniquilar a elite inteletual e destruir gradualmente a nação polaca. Muitos civis foram mortos nos ataques aéreos do Reich alemão nas primeiras horas da guerra. O Reich alemão implementou consistentemente seu plano de assassinar a intelligentsia polaca como parte das chamadas campanhas Intelligenzaktion e AB (Außerordentliche Befriedungsaktion).

     

    Os ocupantes iniciaram extermínios em massa da população que habitava os territórios polacos e continuaram seus assassinatos em massa até praticamente o último dia da Segunda Guerra Mundial em 1945. Os invasores nazistas também realizaram um programa de extermínio em massa da população judaica. Ao contrário dos países ocupados da Europa Ocidental, na Polónia ocupada, ajudar os judeus foi punido com pena de morte.

     

    No território soviético, os polacos foram presos e deportados em larga escala. Foram forçados ao trabalho escravo, em condições horríveis de vida e de higiene, a receber rações de fome e constantemente ameaçados por prisioneiros criminosos.

     

    A Polónia continuou a resistir aos ocupantes em casa e no estrangeiro, apesar de ter perdido a guerra defensiva de 1939.

     

    As estruturas do estado clandestino polaco eram as maiores de toda a Europa ocupada e incluíam forças armadas independentes, parlamento, judiciário e educação secreta. O exército polaco foi também revivido na França e no Reino Unido, a lutar em todas as linhas de frente européias e africanas. As Forças Armadas polacas na URSS foram estabelecidas somente após o ataque do Reich alemão à URSS em 22 de junho de 1941 e após a assinatura do acordo Sikorski-Mayski. Os polacos contribuíram muito para a vitória dos Aliados e para o fim da Segunda Guerra Mundial, mas 1945 não trouxe liberdade para a Polónia. A Europa ficou dividida sob os arranjos feitos durante a Conferência de Yalta. Usada por Churchill em Fulton, a noção de "Cortina de Ferro" descreveu a divisão pós-guerra da Europa e a escravização da Polónia e de outros países, agora na esfera de influência soviética. A Polónia recuperou sua total independência no final de 1989.

     

    Print Print Share: